CONCURSO CULTURAL 2020
 
SPYRO THE DRAGON
CRASH BANDICOOT
 
JOGOS LANÇADOS
DICAS DOS JOGOS
DETONADOS PUBLICADOS
PERSONAGENS
 
JOGOS LANÇADOS
DICAS DOS JOGOS
DETONADOS PUBLICADOS
PERSONAGENS
 
ÁREA FÃ
JOGOS ONLINE
LINHA DO TEMPO
LINKS RECOMENDADOS
JOGOS RECOMENDADOS
PARCEIROS
CONTATO
JOGOS LANÇADOS DICAS DOS JOGOS  DETONADOS PUBLICADOS PERSONAGENS
Página Inicial

CRASH BANDICOOT 4: IT'S ABOUT TIME

GALERIA PRÉVIA ANÁLISE
 
FICHA TÉCNICA
 

Produtora Toys For Bob
Publicadora Activision Inc
Distribuidora Activision Inc
Plataforma(s) PlayStation 4 - Xbox One (retrocompatível PS5 e Xbox Series S/X)
Classificação Maiores de 10 anos
Data de Lançamento 02/10/2020
Gênero Ação/Plataforma
Número de Jogadores 1-4 (local) - Placar de líderes (online)
Acessórios Não informado
 
GALERIA
 
Imagens do Jogo
 
 
Vídeos do Jogo
 
Trailer oficial de anúncio apresentado durante o evento Summer Game Fest - 22/06/2020 Gameplay - Demo enviada a alguns criadores de conteúdo e jornalistas - 24/07/2020
   
   
Gameplay apresentado durante o State of Play (Modo Inverted e Dingodile) - 06/08/2020 Gameplay apresentado durante a GamesCom (Modo Flashback) - 27/08/2020
   
   
Gameplay apresentado no vídeo do PlayStation Underground (Tawna) - 08/09/2020  
   
 
ANÁLISE
 

SOM

                   
10

8.0

muito bom

Pontos Positivos
* Gráficos impressionantes * Sons e efeitos sonoros muito bem elaborados * Jogabilidade fluida * Level Design muito bem construído * História envolvente * Fases Flashback
Pontos Negativos
* Fases extremamente difíceis e frustrantes * Telas de carregamento demoradas nos consoles PS4 e Xbox One * Movimentos especiais confusos * Jogabilidade com os pets é muito "escorregadia"
GRÁFICOS
                   
10
DESAFIO
                   
5
JOGABILIDADE
                   
7
GERAL
                   
8
 
Análise do Jogo
por Paulo DB - 30/10/2020 - Análise da versão PS4

           Em 2 de outubro tivemos o tão aguardado lançamento da nova aventura de Crash Bandicoot lançada para PlayStation 4 e Xbox One (retrocompatíveis no PS5 e Xbox Series S/X) intitulada "Crash Bandicoot 4: It's About Time". Joguei bastante o game, terminei a história e tentei coletar todos os itens possíveis (e não consegui) e creio agora ser possível avaliar o jogo.

            Pra começar, "It's About Time" não é um jogo fácil! Aliás, este é certamente o jogo mais difícil da franquia. Comparável até ao grande sucesso "Cuphead", muito conhecido pela dificuldade excessiva em suas fases. Deixemos essa parte para mais adiante. No momento, vamos justamente começar analisando os melhores pontos do jogo e, certamente, este ponto se refere aos Gráficos do jogo. Desde o princípio, a vontade da Naughty Dog era criar um jogo em que as fases, os personagens e inimigos tivessem um visual remetendo aos desenhos animados. Infelizmente, devido às limitações de hardware da época, isso não foi tão bem perceptível nos jogos lançados. Víamos jogos lindíssimos, porém o visual era muito parecido com um jogo comum do console, mas não com desenhos animados. Agora, graças às novas tecnologias dos consoles atuais, isso foi possível. A Toys for Bob (desenvolvedora do jogo) conseguiu trazer essa vibe de animação ao jogo de uma forma muito bem executada. Os cenários estão lindíssimos, os personagens não parecem mais tão realistas como foi na trilogia "N. Sane Trilogy", porém não ficaram mal-feitos. Muito pelo contrário: ficaram muito bonitos e com animações e expressões corporais bem cartunescas. A exceção, em minha opinião, fica com Neo Cortex, que ficou com um visual muito parecido com o dele em "Crash of the Titans/Mind Over Mutant", mas não chega a ser um defeito.

            Esse jogo conta a continuação de Crash Bandicoot 3: Warped. Seria uma continuação alternativa ou oficial? Você decide isso, mas eu creio ser uma continuação alternativa. Inclusive, a história desse jogo (Crash 4) está muito bem contada e será uma das coisas que irá prendê-lo à aventura, impedindo que desista tão cedo do jogo. As cenas do jogo estão muito bem-feitas, isso tudo associado aos gráficos lindos do jogo tornam esse um dos pontos com maior destaque aqui. Como dito na nossa prévia:

"No final da história de "Crash Bandicoot 3: Warped", Neo Cortex, N. Tropy e Uka Uka ficam presos no passado após a máquina do tempo entrar em colapso. Agora finalmente eles conseguiram escapar da prisão interdimensional, porém causando algum tipo de fissura nas dimensões. É nesse clima de viagens dimensionais que os personagens Crash e Coco enfrentarão os desafios do jogo. As máscaras que nossos personagens irão usar no jogo servirão de ajuda para passar por estes obstáculos."

             Outro ponto muito bem construído no jogo são os efeitos sonoros. As músicas combinam perfeitamente com as fases e os momentos em que elas alteram também são bem colocadas. Como, por exemplo, numa fase onde você está ouvindo a música normal da fase e entra numa caverna e a música fica com efeito mais distante, justamente para nos passar a ideia de que estamos adentrando um local fechado. Ou quando utilizamos uma máscara em determinado local e a música acelera ou fica mais lenta. Disso vou falar mais adiante.

             Em relação à jogabilidade, o jogo não peca. Ela ficou até mais fluida que na trilogia "N. Sane Trilogy" (desculpem, mas é inevitável a comparação). O que foi adicionado ao jogo também foi muito bem-vindo, que foram as máscaras quânticas. São quatro: Lani-Loli, Kupuna-Wa, Ika-Ika e 'Akano. Cada uma delas dá um poder especial a Crash ou à Coco. A máscara Lani-Loli alterna elementos no cenário, fazendo-os aparecerem ou sumirem; Kupuna-Wa é a máscara do tempo - ela deixa os inimigos e elementos do cenário mais lentos, inclusive é possível usá-la para desacelerar o tempo para destruir caixas de Nitro; Ika-Ika é a máscara da gravidade, ou seja, ela permite que alternemos a gravidade no cenário para destruir caixas, derrotar inimigos ou escapar de abismos; por fim, temos o 'Akano, que é a máscara que permite que Crash e Coco girem com mais força, permitindo que destruam caixas protegidas sem a necessidade de usar a "barrigada". A jogabilidade com essas máscaras foi muito bem implementada no jogo e permitiu uma maior diversidade no level design das fases e dos bônus.

            Falando em bônus, o jogo também nos apresenta outros tipos de fases além das que podemos jogar em nossa primeira jogada. São dois tipos de fases novas no jogo: são elas as fases Flashback e as fases N. Verted.

            Nas fases Flashback, nós enfrentamos uma câmara de desafio proposto por Neo Cortex na época em que Crash Bandicoot foi "criado", lá em 1996. O mesmo vale para Coco Bandicoot. São 11 fases para o Crash e 10 para Coco. Essas fases, apesar de serem bem desafiantes, são bem divertidas de jogar e oferecem um desafio até que interessante ao jogador.

            Nas fase N. Verted, como o nome já sugere, temos as mesmas fases da aventura padrão porém no modo espelhado e com efeitos visuais especiais para cada dimensão que jogamos (no jogo não temos mundos, mas dimensões). Por exemplo, na dimensão do tempo presente, as fases são escuras e o cenário é iluminado com o giro de Crash e Coco. Outra fase, da dimensão dos piratas, aparece com cenário em preto e branco e ele é colorido conforme fazemos o movimento de giro ou quando destruímos caixas pulando sobre elas. O desafio dessas fases é o mesmo da fase principal, com a diferença de estar em modo espelho e com a localização da Joia Escondida em outro ponto da fase (essas são bem escondidas, por sinal).

           Outra novidade no jogo é a presença de novos personagens jogáveis: Neo Cortex, Dingodile e Tawna. A jogabilidade com cada um é bem diferente. A jogabilidade com Neo Cortex envolve mais a resolução de pequenos puzzles onde ele precisa usar sua arma para transformar os inimigos em plataformas ou saltadores que possibilitem que ele ultrapasse abismos ou alcançar locais mais altos, além do "dash" de velocidade que Cortex pode usar para avançar mais rápido para frente. A jogabilidade com Dingodile envolve mais destruição, onde ele usa sua arma de sucção para sugar caixas de madeira e para arremessar caixas de TNT para abrir passagens ou derrotar inimigos. Já a jogabilidade com a Tawna é muito mais rápida, onde ela pode usar seu gancho para alcançar locais mais distantes ou destruir caixas também distantes dela no cenário, ela possui ataques de chute e pulo duplo, mas não pode girar como seus amigos Crash e Coco. Pessoalmente, as melhores jogabilidades dentre esses personagens são de Dingodile e Tawna. Neo Cortex pode frustrar muito os jogadores mais acostumados com a movimentação mais fluida dos demais personagens, sendo mais difícil coletar todas as joias com ele, por exemplo.

            Aliás, para quem curte coletar itens, esse jogo é um prato cheio! Não temos mais cristais no jogo, porém temos um número absurdo de joias para coletar. São 228 joias normais de 228 joias invertidas, 38 Relíquias de Safira, Ouro, Platina ou Roxa (equivalente ao tempo do desenvolvedor), 38 Relíquias Insanamente Perfeitas e 21 Fitas Flashback. Ou seja, muitos itens a coletar.

            Em cada fase temos 6 joias no máximo, sendo que 3 são coletadas ao acumular um certo número de frutas Wumpa, outra é obtida ao destruir todas as caixas da fase, a outra está escondida em algum lugar da fase e a última se refere ao desafio de terminar a fase com menos de 3 mortes. O mesmo vale para as fases N. Verted.

            As fitas Flashback são coletadas ao alcançá-las na fase sem ter morrido nenhuma vez. Se na fase tiver essa fita e você morrer antes de chegar a ela, a fita desaparece (fica transparente, sendo possível saber até onde deveria chegar sem morrer). Já as Relíquias Insanamente Perfeitas só são conquistadas se você terminar a fase sem morrer e se destruir todas as caixas coletando todas as joias referente às frutas Wumpa (não é preciso coletar a joia escondida), tornando este um dos desafios mais difíceis do jogo.

            Este desafio só não é o mais difícil do jogo porque o pior é o de coletar as Relíquias do tempo. Mesmo com a habilidade que é conquistada ao terminar o jogo, coletar as relíquias não será um trabalho para qualquer um! A diferença aqui é que você não é obrigado a destruir todas as caixas, porém você deve terminar a fase no menor tempo possível sem morrer. Além disso, os tempos são muito baixos para conquistar as relíquias melhores (Ouro, Platina ou a Roxa). Para piorar o desafio, a conquista/troféu referente às relíquias no jogo exige que você colete todas as relíquias de PLATINA. Isso mesmo! Nos jogos "N. Sane Trilogy" e "Nitro-Fueled" a única exigência era coletar todas as relíquias de Ouro em todas as fases/pistas, mas agora não, tornando esse o desafio mais difícil de toda a franquia. No modo de relíquias de tempo, as caixas mudam completamente (inclusive as caixas de Nitro e TNT também mudam). Ainda no modo de Relíquias do tempo, é possível comparar os seus tempos com os de seus amigos, assim como nos jogos anteriores.

            Aliás, o desafio não está só em coletar todas as relíquias (insanamente perfeitas e do tempo) mas passar as fases sem morrer (ou morrendo pouco). As primeiras fases oferecem desafios aceitáveis e até não prejudica a diversão por conta desses desafios (não frustram muito), mas do meio para o fim o jogo nos dá desafios extremamente insanos de difíceis. É possível zerar o jogo? Claro que sim! Porém se prepare para morrer MUUUUIIITOOOO!

            Para estimular os jogadores a não desistirem tão facilmente, a Toys for Bob criou um modo chamado "Moderno". Neste modo, você pode morrer quantas vezes quiser, que não dará Game Over, reiniciando sempre do último Ponto de Controle (Checkpoint) marcado na fase. O único contador neste modo será o de suas mortes. Já o modo tradicional de jogo é chamado de modo "Retrô". Neste modo as vidas aparecem e caso você perca todas, você reiniciará a fase do início.

            Mesmo assim, será muito fácil você se frustrar com o jogo, podendo acabar desistindo em algum ponto do jogo pois os Pontos de Controle foram posicionados bem distantes uns dos outros.

           Outro "desafio" é de paciência. Os tempos de carregamento do jogo estão muito altos para um jogo desse tipo. Jogos mais antigos como "Ratchet & Clank Remake", por exemplo, possuem tempos de carregamento bem menores e se trata de um jogo com cenários bem maiores. Pode ser que lancem (ou já tenham lançado) um patch para corrigir isso, como fizeram em 2018 no "N. Sane Trilogy", porém, para esta análise estou considerando o que vivenciei no jogo até este momento em que estou redigindo esse texto. Outro problema neste momento é o que tem acontecido com alguns jogadores que é o de perder os saves do jogo, tendo que recomeçar e recuperar todo o progresso até aquele momento, o que é um outro fator que pode frustrar caso esse problema não seja resolvido logo.

            Uma coisa bem legal que adicionaram ao jogo foi a possibilidade de equiparmos roupas em Crash e Coco. As joias coletadas servirão para desbloquear skins bem divertidas para serem usadas em todas as fases, incluindo a skin do Fake Crash e da Fake Coco (novidade na franquia, inclusive). Além disso, existe um modo multiplayer local no jogo, tanto no modo aventura quanto fora dele.

            O modo multiplayer dentro do jogo consiste no chamado "Pass N. Play". Neste modo, você joga fase com um amigo e pode decidir se passará o controle para seu amigo quando morrer após um Checkpoint ou só ao terminar a fase, assim como acontecia nos jogos antigos da era 16 bits. Este seria um modo Cooperativo.

            O outro modo multiplayer presente no jogo é um modo Competitivo chamado "Batalha Bandicoot". Neste modo você e até 3 amigos podem competir em dois modos de disputa - Corrida dos Checkpoints ou Combo de Caixas. Na Corrida de Checkpoints, você precisa chegar o mais rápido possível ao próximo Ponto de Controle na fase. Já no Combo de Caixas, as caixas de Wumpa dão pontos e se destruídas em sequência podem dar muitos pontos de uma vez. Ganha quem fizer o maior número de pontos ao final de cada Ponto de Controle passado. No final da fase é contabilizada a quantidade de vitórias nos Pontos de Controle. Esses são modos divertidos porém limitados ao modo local, mas é uma boa pedida para jogar com um amigo quando este estiver em sua casa.

            Depois de tudo isso que falei, o que posso dizer sobre o jogo é que ele é divertido, porém pode frustrar muitos jogadores que só procuram DIVERSÃO. Creio que o principal num jogo seja a Diversão e não passar raiva (risos). Muitos jogadores podem até curtir o Desafio excessivo num jogo, mas outros também muitas vezes buscam se distrair jogando, apenas para passar o tempo e estes tenderão a largar o jogo rapidamente (poderão "zerar" o jogo e depois deixá-lo de lado). Por isso, destaco no jogo os Gráficos, os Sons e a Jogabilidade como positivos no jogo e o Desafio como negativo, porém em partes esse Desafio excessivo pode acabar prejudicando a Jogabilidade, pois para se passar certas fases é preciso ter muita sorte para não acabar apertando um botão errado por engano e acabar fazendo um movimento errado em momentos chave das fases.

            O jogo está disponível para as plataformar PlayStation 4 e Xbox One em 2 de outubro e estará presente como parte da retrocompatibilidade dos consoles PlayStation 5 e Xbox Series S/X desde o lançamento desses consoles.

 
PRÉVIA
 
Prévia do Jogo
por Paulo Moreira / colaboração de Doni (Crash Bandicoot Brasil - Facebook) - em 30/08/2020

             Depois de 10 anos sem um jogo novo oficial de aventura de nosso marsupial favorito, eis que em junho de 2020 a Activision envia a alguns jornalistas e influenciadores um quebra-cabeça referente a uma máscara já vista antes no trailer "It's Time to Play" da PlayStation em 2019, onde apareciam alguns personagens da franquia em karts com a máscara Aku Aku e a máscara do quebra-cabeça os seguindo. No primeiro momento ninguém tinha entendido do que se tratava, mas dias depois, durante o Summer Game Fest, idealizado pelo apresentador do The Game Awards, Geoff Keighley, foi apresentado para o mundo o que seria o novo jogo de Crash Bandicoot, intitulado "Crash Bandicoot 4: It's About Time" e este já veio inclusive com data de lançamento - 2 de outubro de 2020. No mesmo dia, o produtor da Toys for Bob deu uma entrevista e tivemos uma ideia de como será o jogo.

            O fato do jogo conter o número 4 no título, levantou em muitos a pergunta: "E o Wrath of Cortex? Fica onde nisso tudo?". Esse debate perdura até o momento, mas a produtora já explicou algumas vezes que "The Wrath of Cortex" existe e continua valendo como parte da história de nosso marsupial, porém ela achou que alguns pontos da história após os eventos de "Crash Bandicoot 3: Warped" não foram tão bem explicados, por isso esse jogo novo está aí para ligar as pontas que foram soltas na história lá atrás.

            Falando do jogo em si, esse certamente é um dos jogos com mais novidades que qualquer outro de Crash Bandicoot que cobri em quase 20 anos de site, tanto que precisei pedir ajuda de amigos que entendem de Crash Bandicoot e que estão mais por dentro das notícias (lembrando que não recebo informações novas de Crash Bandicoot desde o evento Rustland de CTR Nitro-Fueled em janeiro), e nesta prévia contei com a ajuda do Doni da página Crash Bandicoot Brasil no Facebook e Instagram.

            O que notamos logo de cara é a aparência dos personagens e o estilo de jogabilidade adotado para o jogo. Os primeiros personagens a serem divulgados, além de Crash Bandicoot, foram Coco, Neo Cortex e N. Gin. Os visuais destes personagens foram baseados nos visuais originais dos personagens, porém com mais traços e menos detalhes. Por exemplo: em "N. Sane Trilogy", Crash e Coco tinham mais pêlos nas versões PS4, Xbox One e PC que na versão Switch (por conta do hardware) e agora em "It's About Time", em todas as versões, Crash e Coco apresentam poucos traços mostrando os pêlos, sendo mais desenhados do que antes. O que se sabe é que a Naughty Dog queria que os personagens tivessem visuais que lembrassem os personagens do desenho Looney Tunes e agora isso está sendo tomado como base para a Toys for Bob desenvolver os designs dos personagens. A jogabilidade foi baseada nos clássicos (assim como eu sempre disse que gostaria de ver num novo jogo de Crash Bandicoot) com alguns novos recursos interessantes, principalmente para jogadores hardcores (este certamente não sou mais).

            Um desses novos recursos se referem às novas máscaras do jogo, inclusive a história do jogo dependerá dessas máscaras, que são chamadas no jogo de Máscaras Quânticas. No final da história de "Crash Bandicoot 3: Warped", Neo Cortex, N. Tropy e Uka Uka ficam presos no passado após a máquina do tempo entrar em colapso. Agora finalmente eles conseguiram escapar da prisão interdimensional, porém causando algum tipo de fissura nas dimensões. É nesse clima de viagens dimensionais que os personagens Crash e Coco enfrentarão os desafios do jogo. As máscaras que nossos personagens irão usar no jogo servirão de ajuda para passar por estes obstáculos.

            São elas: Kupuna-Wa (máscara do tempo - com ela, os objetos que se movem no cenário podem ser desacelerados, permitindo que os personagens avancem), Ika-Ika (máscara da gravidade - com ela equipada, os personagens podem mudar de posição no cenário ficando de ponta-cabeça para atravessarem obstáculos), Lani Loli (máscara que permite que os objetos apareçam ou desapareçam, permitindo que sejam destruídos ou ultrapassados por segurança) e máscara roxa chamada de Akano, que não teve sua habilidade revelada (logo saberemos do que se trata).

            Outra novidade no jogo, apresentada no State of Play do mês de agosto é o novo modo de jogo chamado "N. Verted", que seguirá o conceito do Modo Espelho do Crash Team Racing: Nitro Fueled. Nesse modo, a Toys for Bob, em colaboração com a Beenox, proporcionará uma nova experiência de jogo, onde você poderá jogar as fases em dimensões alternativas. Alguns exemplos foram mostrados no trailer, como na fase em preto e branco que conforme você avança ela vai se tornando colorida ou na fase com cores em neon, que inclusive ao invés de coletar frutas Wumpa nós coletaremos amoras! Após desbloquear esse modo "N. Verted", será possível jogar todas as fases do jogo com novas sensações, desafios e diferentes estilos artísticos. Essa adição servirá para quem gosta de completar o jogo por inteiro e para aqueles que buscam novos desafios.

            Além disso, surpreendentemente, descobrimos que Neo Cortex será um personagem jogável! Isso mesmo! Poderemos controlar Neo Cortex nas fases em que Crash e Coco entrarão. Na perspectiva de Neo Cortex, o jogador poderá ultrapassar os obstáculos utilizando a arma transformadora de Cortex para transformar animais em plataformas ou gelatinas ou usar um jetpack para dar um impulso para frente para ultrapassar os abismos que surgirem no cenário. Em certos momentos da fase Neo Cortex poderá encontrar Crash e Coco e ativar armadilhas que influenciarão na fase quando ultrapassada por esses personagens. Tal fato foi demonstrado em gameplays de uma das fases de uma demo que foi enviada pela Activision a influenciadores e jornalistas pelo mundo (no Brasil, YouTubers, como o Fiaspo, receberam essa demo, que contava com três fases - "Snow Way Out", pela perspectiva de Crash e Neo Cortex; e "Dino Dash", que apresenta uma parte de perseguição como em fases pré-históricas do Crash 3).

            Ainda, durante o evento State of Play, foi anunciado que poderemos controlar também o vilão Dingodile! Outra coisa surpreendente! Imagine, se quiser, um homem simples – não, esquece – metade dingo, metade crocodilo, que decide aposentar seus velhos hábitos de chamuscar e explodir bandicoots em troca de realizar seu maior sonho: Abrir um restaurante. Infelizmente, a propriedade do nosso Dingodile é destruída diante de seus olhos, e nosso vilão que virou chefe de fast-food é sugado para outra dimensão! Bom, está na hora de ele descobrir o que houve de errado. Além do Neo Cortex, você poderá jogar fases completas e linhas do tempo alternativas com o Dingodile. Enquanto Cortex transforma os inimigos em plataformas e gosmas gelatinosas com sua pistola, Dingodile tem um jeito... mais bruto. Como ele trocou seu lança-chamas por uma arma aspiradora, Dingodile pode sugar barris de TNT e lançá-los com uma precisão incrível, explodindo qualquer coisa que esteja no seu caminho de volta para casa. Isso tudo é por vingança por seu restaurante destruído, então ajude-o para que ele volte e seja feliz de novo com sua aposentadoria.

No topo: Kupuna-Wa e Loni Loli. Na parte inferior: Ika-Ika e Akano.

            No mesmo trailer foi confirmado que nossos personagens terão skins personalizadas. No momento, apenas Crash e Coco receberão essas skins. Depois do evento, a produtora veio informar que as skins serão adquiridas no jogo ao coletar certas quantidades de joias e que o jogo não terá microtransações, ou seja, as skins não serão compradas com dinheiro real. Aliás, as joias nesse jogo deverão ser em maior número, inclusive o número de fases promete ser o maior de toda a franquia. Aparentemente as fases terão entre 5 e 6 joias que serão obtidas cumprindo desafios nas fases ou ao acessar áreas mais escondidas. Algumas joias serão obtidas coletando uma certa quantidade de frutas Wumpa, outra ao destruir todas as caixas, outra por acessar áreas secretas, incluindo as famigeradas "Death Routes". Em relação ao número de fases, segundo a GameStop, o jogo terá mais de 100 fases, porém não foi especificado como chegaram a esse número, até porque teremos as fases normais, as fases com Neo Cortex, as fases de Dingodile, as fases no modo "N. Verted" e os chefes. Ah, falando em chefes, lembrei que no trailer foi divulgada a aparência de N. Tropy e Uka Uka, que não tinham sido apresentados antes, mas que sabíamos que entrariam no jogo, até porque fazem parte da história por estarem no final de Crash 3.

            Para amplificar ainda mais a dificuldade do jogo, foi anunciado durante a abertura da GamesCom em agosto um novo modo chamado "Flashback". Neste modo, o jogador enfrentará uma câmara de testes de Neo Cortex voltada para Crash e Coco. O mais incrível é que essa fase é acessada coletando fitas nas fases e terminando essas fases SEM MORRER (aparentemente as fases serão longas, então terminá-las sem morrer será um desafio ainda maior que nos clássicos). Essas câmaras de teste mostram Neo Cortex colocando Crash e Coco em fases, no estilo bônus (onde o objetivo é destruir todas as caixas) com quebra-cabeças bem mais complexos que nos bônus tradicionais da franquia e esses testes acontecem na linha do tempo antes dos eventos de Crash 1, ou seja, no início do ano de 1996 (inclusive no trailer aparece a data de 01/01/1996, lembrando que o jogo Crash 1 foi lançado em 09/09/1996).

            Por fim, o jogo contará com dois modos: RETRO e MODERNO. O modo Retro é no estilo Crash Bandicoot original, onde a cada morte você perde uma vida! E o modo Moderno contará com vidas infinitas para os novos fãs, além de um contador de morte!

UPDATE:

            Quando nós pensávamos que não iriam ter novidades para o jogo, eis que no dia 8 de setembro, foi postado no canal oficial do PlayStation um vídeo do programa "PlayStation Underground" em que eles mostraram novidades para o jogo. E a grande novidade é que a Tawna será uma personagem jogável. Então, temos 5 personagens jogáveis no jogo: Crash e Coco Bandicoot, Neo Cortex, Dingodile e Tawna.

            Essa Tawna não é a mesma do universo de Crash Bandicoot. Essa Tawna é de outra dimensão e, provavelmente, nessa dimensão Crash e Coco tinham desaparecido (talvez isso saibamos melhor no jogo). A jogabilidade dela parece ser rápida devido à ferramenta que a Tawna usa para se mover pelos cenários, que é uma garra. Sua jogabilidade lembra muito da Nina Cortex em Crash Twinsanity, porém andando rapidamente.

            Para encerrar, só mais uma informação: o jogo será lançado no dia 2 de outubro de 2020 para PS4 e Xbox One, sendo vendido a R$ 199,92 no PS4 (com desconto) e R$ 200,00 no Xbox One (com desconto).

            Confira na página do site no Facebook e no Twitter mais imagens e detalhes do jogo, que não foram disponibilizadas aqui. Nosso Facebook é www.facebook.com/dragonsbandicoots e Twitter é www.twitter.com/dragband . Alguns vídeos interessantes do jogo estão sendo compilados numa playlist chamada "Notícias". Confira no Canal D&B! www.youtube.com.br/dragonsbandicoots .

            Sigam a página Crash Bandicoot Brasil no Facebook e no Instagram: https://www.facebook.com/CrashBandicootBRA/ ; https://www.instagram.com/crashbandicoot.brasil/

Dragons & Bandicoots © 2001/2020 - Versão 15.2

Site desenvolvido e criado por Paulo Moreira (dragonsb). Os personagens mencionados neste site são marcas registradas de Activision, Inc. O site Dragons & Bandicoots não possui nenhuma ligação com a empresa mencionada.
Site hospedado por Webhost Brasil.