SPYRO THE DRAGON
CRASH BANDICOOT
 
JOGOS LANÇADOS
DICAS DOS JOGOS
DETONADOS PUBLICADOS
PERSONAGENS
 
ANÁLISE "N. SANE TRILOGY"
JOGOS LANÇADOS
DICAS DOS JOGOS
DETONADOS PUBLICADOS
PERSONAGENS
 
ÁREA FÃ
CONCURSO CULTURAL 2017
JOGOS ONLINE
LINHA DO TEMPO
LINKS RECOMENDADOS
JOGOS RECOMENDADOS
PARCEIROS
CONTATO
JOGOS LANÇADOS DICAS DOS JOGOS  DETONADOS PUBLICADOS PERSONAGENS
Página Inicial

CRASH BANDICOOT: THE HUGE ADVENTURE Galeria ANÁLISE
 
FICHA TÉCNICA
 

Produtora Vicarious Visions

Nota do Site

8.4

7.9 (3)

Publicadora Universal Interactive Studios
Distribuidora Universal Interactive Studios
Plataforma(s) GameBoy Advance
Classificação Todas as Idades
Data de Lançamento 25/02/2002
Gênero Plataforma
Número de Jogadores 1
Acessórios Memory Card
 
HISTÓRIA
 
         Crash e seus amigos estão em sua casa, em N. Sanity Beach, aproveitando o bom tempo para descansar. Enquanto isso, Neo Cortex constrói uma máquina chamada Minimizer que quando ativada encolhe todo tipo de objeto. Foi usando essa máquina que Cortex pensou no próximo plano para derrotar Crash e seus amigos.

        Ele decidiu usar o Minimizer no próprio planeta Terra e o encolheu a um tamanho tão pequeno que o planeta coube até na palma de sua mão. Para que voltem ao normal, Crash e seus amigos devem seguir uma trilha que leva ao laboratório de Neo Cortex e destruir essa máquina. Para chegar até lá, Crash deverá coletar cristais do poder e ainda derrotar seus antigos inimigos, além de derrotar o próprio Neo Cortex.

 
GALERIA
 
Imagens do Jogo
 
[photogallery/photo11844/real.htm]
 
ANÁLISE
 

SOM

                   
8

8.4

ótimo

Pontos Positivos
* Jogabilidade simples * Desafios de relíquias proporcionam maior tempo de vida ao jogo * Gráficos bons para a estréia
 
Pontos Negativos
* Sons idênticos (alguns piorados) aos dos jogos anteriores
GRÁFICOS
                   
8
DESAFIO
                   
9
JOGABILIDADE
                   
9
GERAL
                   
8
 
Análise do Jogo
por Paulo Moreira

          Após a separação da Naughty Dog e da Universal Interactive, Crash Bandicoot ficou sob a responsabilidade da Universal. Diante disso, Crash Bandicoot deixou de ser exclusivo da Sony e, em 2001, foi lançado para os consoles de 128 bits da época o jogo Wrath of Cortex. Aproveitando-se dessa diversidade de plataformas e o lançamento do Game Boy Advance, a Universal contrata a empresa Vicarious Visions para produzir um jogo de Crash para o novo portátil da Nintendo na época.

         O jogo ficou muito bom, lembrando em todos os aspectos os jogos do Crash lançados para PSOne, apesar de o jogo ser totalmente em 2D, havendo apenas uma fase em 3D (onde Crash foge do urso gigante enquanto está montado em Polar como em Crash Bandicoot 2). Assim como em Crash Bandicoot 3 do PSOne, Crash pode nadar. Além disso, várias fases voltam ao passado, com cenários já conhecidos por nós como o esgoto, a selva, o laboratório de Cortex, entre outros.

         A jogabilidade é simples e obedece com fidelidade aos comandos e todos foram utilizados a partir dos jogos do Crash do PSOne. As fases possuem o mesmo nível de dificuldade que as fases dos jogos lançados para PSOne e contam com o desafio das relíquias como em Crash Bandicoot 3 e Wrath of Cortex.

          Os sons foram remixados dos jogos anteriores de Crash para PSOne e isso torna o jogo um pouco repetitivo, já que gostaríamos de ver fases novas com músicas novas ou pelo menos exclusivas do Game Boy Advance, mas não ficaram ruins.

         No geral, o jogo ficou bom, mas poderia ter ficado ainda melhor se a Vicarious Visions tivesse trazido alguma novidade ao jogo.

 
ANÁLISES DE VISITANTES DO SITE
 
#03 - Data: 05/04/2015 - Identificação: Fagner da Luz dos Santos

SOM

8 "Os efeitos sonoros ficaram bons e a releitura das músicas dos jogos do PSone, mais precisamente do Crash Bandicoot 2, ficou muito bom para o GBA, só acho que faltou algumas músicas originais a mais. A área sonora do jogo está boa, só acho que faltou um pouco mais de originalidade."
GRÁFICOS 8 "É difícil avaliar os gráficos em um portátil como o GBA, mas comparando-os com os do PSone e levando em conta a capacidade do portátil, dá para ver que no geral a Vicarious Visions se saiu bem. O uso dos gráficos vindos diretos do PSone como base caiu muito bem, o jogo os lembra muito visualmente."
DESAFIO 8 "Nesse ponto a Vicarious Visions também se saiu bem, o jogo tem seus momentos de facilidade e de dificuldade, apesar de haver os poderes.""
JOGABILIDADE 9 "Merece esta nota, a jogabilidade no GBA ficou muito bem adaptada e praticamente idêntica aos clássicos do PSone. Além disso, apesar de poucos, houve pequenos elementos novos que eu achei bem bacana, uma ótima sequência de linha do tempo alternativa para o Crash Bandicoot: Warped."
  8.3
#02 - Data: 08/10/2012 - Identificação: João Victor, 11

SOM

7.5 "Algumas vezes a música perde a noção do game (WTF?), mas eu acho que aquela música do Vs Tiny,ficou ruim."
GRÁFICOS 6.5 "A época era dura, mas os pixels foram ''estranhos e macabros'' ,O pixel do Cortex ficou muito estranho..."
DESAFIO 8.5 "É bem básico e bem legal."
JOGABILIDADE 4 "Confunde..."
  6.6
#01 - Data: 16/01/2012 - Identificação: Haendel Hernan

SOM

7.5 "Ficaram ótimos, pena que as musicas são apenas remixes dos jogos anteriores."
GRÁFICOS 9.5 "Ficaram ótimos, mas poderiam ser melhores."
DESAFIO 10 "Muito desafiador, principalmente na hora de pegar gemas."
JOGABILIDADE 8 "Legal, mas ficou muito parecido com o Cortex Strikes Back, do PSone."
  8.8

Dragons & Bandicoots © 2001/2017 - Versão 15.0

Site desenvolvido e criado por Paulo Moreira (dragonsb). Os personagens mencionados neste site são marcas registradas de Activision, Inc. O site Dragons & Bandicoots não possui nenhuma ligação com a empresa mencionada.
Site hospedado por Webhost Brasil.